(61) 98114-2227

(61) 3965-3333

contato@ccddf.com.br

Automedicação: você deve evitar este hábito

Automedicação: você deve evitar este hábito

Alguns estudos já provaram que cerca de 90% da população brasileira tem o hábito da automedicação. Apesar de bastante comum, é um costume que pode causar uma série de problemas ao corpo e, inclusive, piorar a doença que você estava tentando tratar.
Por isso, preste atenção no nosso conteúdo de hoje e entenda melhor sobre o que pode causar.
Boa leitura.

Motivos da automedicação

Se você não busca por remédios sem antes procurar por um especialista, provavelmente conhece alguém que mantém este hábito.

A variedade dos produtos fabricados hoje pela indústria farmacêutica, a facilidade de comprar por tais produtos e, também, o auxílio da internet que faz com que as pessoas pesquisem por sintomas de determinadas doenças e acreditem ter o diagnóstico, faz com que este hábito seja cada dia mais comum.

Mas diferente do que a facilidade de adquirir os medicamentos, este hábito pode, em grande parte dos casos, esconder a verdadeira doença e mascarar os sintomas.

Um grande exemplo: a pessoa adquire o remédio X para tratar uma dor no estômago. Por um momento a dor pode cessar, mas o sintoma foi apenas “escondido” já que a causa do problema não foi tratada. 

Perigos da automedicação

Dentre os vários perigos da automedicação, estão alguns considerados ocultos. Por exemplo, é possível que o paciente acabe desenvolvendo resistência a certos tipos de substâncias, como é muito comum acontecer com os antibióticos. Pode ser um grande problema, uma vez que quando o médico realmente receitar determinado remédio, o corpo pare de reagir a ele, sendo necessário receitar, muitas vezes, remédios ainda mais fortes.

Além disso, existem remédios que podem suspender o efeito de outra medicação que o usuário já utilize. O anticoncepcional, por exemplo, pode ter o efeito diminuído quando combinado com outros medicamentos, como os antibióticos. 

Estatísticas da Organização Mundial da Saúde (OMS)

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), em todo o mundo, mais de 50% dos medicamentos receitados são vendidos de maneira inadequada.

Além disso, as estatísticas provam que cerca 50% dos pacientes tomam os medicamentos de maneira incorreta e, muitas vezes, preferem optar pela automedicação ao invés de realizar uma consulta para ter um diagnóstico exato.

Desta forma, fica claro que é um hábito comum, mas que pode trazer uma série de consequências graves ao organismo. O ideal é buscar sempre um especialista ao notar qualquer mudança no seu corpo. Lembre-se que sua saúde deve ser sempre sua prioridade e que não deve ser negligenciada.

Se o conteúdo foi informativo para você, compartilhe nas suas redes sociais e informe outras pessoas.
Até o próximo conteúdo.