(61) 98114 2227

(61) 3965-3333

contato@ccddf.com.br

Doença Diverticular dos Cólons

DOENÇA DIVERTICULAR DOS CÓLONS

Definição

A Doença diverticular dos cólons é uma condição comum que afeta a maior parte da população acima dos 60 anos, e quase o sua totalidade após os 80 anos.

Apenas um pequeno número de pacientes terá sintomas e a minoria necessitará de cirurgia. Os divertículos são pequenas saculações que se desenvolvem na parede do cólon, variando de alguns milímetros até vários centímetros, qualificados em pseudo-divertículos e divertículos verdadeiros (formados por todas as camadas da parede intestinal). Acometem usualmente o cólon sigmóide ou a metade esquerda do intestino grosso, mas podem também envolver todo o órgão. A Diverticulose é caracterizada pela presença destas saculações. A diverticulite é a inflamação destes pequenos “sacos”.

Epidemiologia Geral

  • Prevalência geral – 35-50%
  • Prevalência com a idade
    • 40 anos < 5%
    • 60 anos – 30%
    • 85 anos > 65%
  • Mais comum em mulheres
  • EUA/ Europa Ocidental – Cólon esquerdo
  • Populações Asiáticas – Cólon direito

Etiologia

Doença diverticular forma hipertônica: ocorre em indivíduos mais jovens (50 anos), portadores invariavelmente de constipação intestinal. A baixa ingesta de líquidos e fibras na dieta levam a formação de bolo fecal pouco volumosos, exigindo do cólon contrações hipertônicas para o deslocamento de fezes para o reto (princípio do processo de evacuação). Nestas zonas de hiperpressão surgem os divertículos de pulsão. Estes divertículos ocorrem mais comumente no cólon sigmóide, possuem base estreita e complicam na maioria das vezes com inflamação – diverticulite.
Doença diverticular forma hipotônica: ocorre na maioria da população, com formação de divertículos em todo cólon. Acometem pacientes mais idosos, em torno de 60 a 80 anos. É uma patologia natural decorrente da degeneração e hipotonicidade que se instala nos tecidos musculares corporais. São estruturas que possuem base larga, oscilando de 0,5 a 2,0 cm de diâmetro. A complicação mais frequente é a hemorragia digestiva baixa.

Quadro Clínico

1. Problemas na vesícula biliar;
2. Apendicite aguda;
3. Doença diverticular;
4. Doença parasitaria (verme);
5. Doença Inflamatória intestinal;
6. Câncer de cólon e reto.

Tratamento

O quadro clínico é variável de acordo com a fase de evolução da doença. Em muitos indivíduos se apresenta como assintomática. Outras vezes a sintomatologia é vaga como queixas de manifestações dispépticas, mal estar abdominal, flatulência, alterações do hábito intestinal, etc.

Esses sintomas tendem a se prolongar por vários anos de forma contínua, alternando entre exacerbações e remissões. De modo geral se assemelham muito à síndrome do intestino irritável.

Dor (82,8%): localizada em fossa ilíaca esquerda ou hipogástrio, intensa nos processos agudos, torna-se mais branda com a cronificação da doença. Em geral a dor piora com evacuação ou exercícios. Sua duração é variável, pode ter início abrupto na forma de cólicas, seja localizada ou difusa, ou de maneira insidiosa com intensidade moderada. Pode permanecer inalterada durante toda a evolução da doença ou manifestar-se somente nos períodos agudos de exacerbações. Mais raramente, quando o sigmóide é alongado, a dor pode localizar em fossa ilíaca direita, simulando um quadro de apendicite.

Diarréia: é comum, sendo geralmente alternada com períodos de constipação acompanhando-se por perda moderada de muco. O número de evacuações diárias é variável, predominando em alguns casos o tenesmo sobre a diarréia propriamente dita, mas raramente as fezes contêm sangue macroscopicamente visível. Tem em geral caráter explosivo.

Constipação: é freqüente, as fezes tem forma de cíbalos e torna mais acentuada nas fases avançadas da doença, quando a fibrose e a diminuição do calibre da alça tem caráter permanente. É comumente acompanhada por distensão abdominal.

Hemorragia: é uma complicação grave. Em alguns casos, há referência da presença de sangue vivo misturado às fezes, em geral de pouca quantidade. Pode ocorrer hemorragia intensa e importante, com risco eminente de vida.

Febre: referida nas fases de inflamação aguda, nas perfurações ou abscessos.
Náuseas e vômitos: são achados mais raros, verifica-se apenas na vigência de um quadro peritoneal, seja de natureza adinâmica ou mecânica.

*Importante: Quando o processo inflamatório se estende para além da parede intestinal, sob a forma de peridiverticulite, podem se associar manifestações urinárias ou ginecológicas.

Diagnósticos que devem ser afastados

– Pólipos
– Câncer colorretal
– Doença de Crohn
– Colite Ulcerativa
– Apendicite aguda
– Colite isquêmica
– Doença inflamatória pélvica

Tratamento

A diverticulose e a doença diverticular são geralmente tratadas com controle da dieta e ocasionalmente com medicações para ajudar a controlar dor, cólicas e alterações no hábito intestinal. O aumento na ingesta de alimentos ricos em fibras (grãos, legumes, vegetais, frutas, etc) reduzem a pressão dentro do cólon e, então, as complicações serão mais difíceis de ocorrer.

A diverticulite requer um manejo mais intenso. Os casos leves podem ser conduzidos sem hospitalização, mas esta é uma decisão que só poderá ser feita pelo especialista.O tratamento consiste em antibióticos orais ou venosos, restrição dietética e algumas vezes emolioentes fecais.

Nos casos graves há necessidade de cirurgia, onde usualmente uma parte do cólon (geralmente o cólon esquerdo ou o sigmóide) é removida e uma colostomia temporária pode ser necessária.

A cirurgia nos pacientes que apresentam hemorragia esta indicada quando já houve mais de um episódio de sangramento, pois o risco de novo sangramento é muito alto

O CENTRO DE CIRURGIA DIGESTIVA DO DF É REFERÊNCIA EM BRASÍLIA E REGIÃO.

Agende sua consulta através do nosso sistema online com apenas um clique.

Nossos diferenciais:

Médicos renomados

O CCD dispõe de médicos altamente treinados e especializados, que proporcionam mais segurança durante o seu tratamento.

Ampla estrutura

Um espaço completo, com ampla infraestrutura e tecnologia de ponta para prevenção, diagnóstico e tratamento das enfermidades.
null

Atendemos diversos convênios

Visando melhor atendê-los, aceitamos diversos tipos de convênios para que você seja tratado com a praticidade e atenção que merece.
null

Atendimento diferenciado e humanizado

Na hora de marcar consultas, cirurgias ou exames, você conta com a disponibilidade e excelência dos nossos atendentes.

Deixe seus dados que entraremos em contato em até 24 horas:

CONVÊNIOS


AFFEGO
ALLIANZ
AMIL
ASETE (ASTE)
ASFUB
BACEN
BRB SAÚDE
CAEME-GO
CAESAN
CAMED
CAPESAÚDE
CASEC (CODEVASF)


CASEMBRAPA
CASSI
ELETRONORTE (E-VIDA)
EMBRATEL – DEMAIS PLANOS
EMBRATEL – PAME
FACEB
FAPES (BNDES)
FASCAL
GAMA SAÚDE
GRAVIA
INFRAERO
LIFE EMPRESARIAL SAÚDE


MEDISERVICE
NOTRE DAME
OMINT
PETROBRAS DISTRIBUIDORA
PETROBRAS PETRÓLEO
PLAN ASSISTE (MPDFT)
PLAN ASSISTE (MPF)
PLAN ASSISTE (MPM)
PLAN ASSISTE (MPT)
PROASA
POSTAL SAÚDE
SAÚDE CAIXA


SEGUROS UNIMED
SERPRO
STF – MED
SIS (SENADOR)
STJ
STM (PLAS/JMU)
TJDFT
TRE
TRF
TRT
TST-SAÚDE
UNAFISCO (SINDIFISCO)