(61) 99214-9954

(61) 3272-0016

contato@ccddf.com.br

Conheça as principais doenças inflamatórias intestinais: Retocolite e Doença de Chron

Conheça as principais doenças inflamatórias intestinais: Retocolite e Doença de Chron

Qualquer probleminha no intestino é capaz de causar grande desconforto. Mas há situações onde a causa da dor representa um problema mais sério, como uma inflamação, que deve ter um tratamento cuidadoso para que a pessoa tenha de volta sua qualidade de vida . Neste artigo vamos abordar aspectos das principais doenças inflamatórias que afetam o intestino, e em muito se parecem, mas apresentam algumas diferenças: Retocolite Ulcerativa e Doença de Chron.

Retocolite ulcerativa

Esta é uma doença que afeta a parte final do sistema digestivo: o cólon (intestino grosso)  e ou o reto, onde se desenvolvem feridas (úlceras). A medicina ainda não identificou com certeza qual é a causa, mas já desconfia que ela esteja associada a fatores genéticos e autoimunes. Seu fator crônico faz com que pessoas que tem familiares acometidos de Retocolite tenham 20% de predisposição de desenvolvê-la.

Os sintomas começam com cólicas e sangue nas fezes, podendo haver muco também, febre e perda de peso. Uma questão muito marcante na Retocolite, quando já em estado grave, são as crises de diarréia, que se tornam frequentes ao longo do dia, e a curto prazo representam perda de apetite e de peso notável. A perda de sangue nas fezes também pode originar anemia.

O diagnóstico da Retocolite é feito a partir da colonoscopia, exame proctológico que permite visualizar a parte interna do cólon e reto. Além disso são necessários exames laboratoriais e  radiológicos.

Por fim, após identificado, o tratamento da doença é feito de forma a tratar as crises e manter a doença em remissão. Para tal, são usados medicamentos anti-inflamatórios, antibióticos, corticoides, imunossupressores e imunobiológicos  a depender do grau e gravidade da doença. A cirurgia também é uma opção de tratamento que visa curar o problema ao retirar o tecido já prejudicado e fazer uma reconstrução, porém é indicada em casos específicos, analisados pelo médico Coloproctologista, que é um dos profissionais  que cuidam do acompanhamento desses pacientes. Outras especialidades envolvidas são o Gastroenterologista, o Nutricionista, o Reumatologista, o Oftalmologista e o Psicólogo já que trata-se de uma doença sistêmica com inúmeras repercussões.

 

Doença de Chron

Este tipo de inflamação apresenta sintomas muito semelhantes aos da Retocolite. O que as diferencia é que as inflamações geradas pela Doença de Chron pode afetar áreas ao longo de todo o trato digestivo, desde a boca até o ânus. Porém, na maioria dos casos ela acomete o intestino delgado e a região de transição entre o intestino delgado e cólon. São inflamações pontuais que intercalam com áreas saudáveis, mas afetam todas as camadas da parede do intestino, não só as superficiais o que pode gerar sérias consequências para os pacientes.

A Chron se torna muito perigosa, , quando chega a provocar fístulas, obstruções ou perfurações do trato digestivo que possibilitam a passagem de parte do conteúdo do intestino para outros órgãos. Sendo esse conteúdo em sua maioria fezes, o risco de contaminação por bactérias é alto e nesses casos a possibilidade de cirurgia muito grande.

Assim como a retocolite, a causa ainda não é totalmente confirmada, mas passa por fatores genéticos, autoimunes, ambientais ou ligados a infecções anteriores. Em seus sintomas, também se assemelha à retocolite ao provocar cólicas, sangramento, muco nas fezes e febre, mas também se manifesta de forma externa a partir de formações de aftas bucais e erupções na pele, bem como inchaço nas articulações.

Os medicamentos antibióticos e corticoides se aplicam no tratamento da Doença de Chron, assim como a cirurgia para casos mais graves. Infelizmente, essa é uma doença que apresenta muita reincidência de quem a porta, e por isso precisa de acompanhamento constante e cuidados cotidianos e adesão ao tratamento.

Qualquer desconforto intestinal deve ser acompanhado desde o início, por médicos Gastroenterologistas e Coloproctologistas, para que não evolua para quadros mais graves e difíceis de tratar.