(61) 98114-2227

(61) 3965-3333

contato@ccddf.com.br

Cisto pilonidal: o que é, como acontece e como tratar

Cisto pilonidal: o que é, como acontece e como tratar

Uma patologia muito comum, o cisto pilonidal acomete indivíduos jovens de ambos os secos e incide habitualmente entre os 17 e os 30 anos, embora não seja incomum em pacientes acima de 35 ou 40 anos.. Mas mesmo sendo um problema corriqueiro, é um tema pouco falado. Para te ajudar a entender mais sobre esse tema, desenvolvemos um conteúdo completo.

Prossiga com a leitura e cesse possíveis dúvida sobre o assunto.  

O que é o Cisto Pilonidal?

O cisto pilonidal é uma doença que acontece em função da formação de uma bolsa a partir de um tecido do corpo. Pode compreender em seu interior alguns fluidos, como pus, ar e/ou líquido.

A origem da doença ainda não está bem estabelecida. Mas, de maneira geral, está associada ao início do aparecimento de pelos que vão penetrando entre as nádegas na região próxima ao sacro e ao cóccix. Muitas vezes pode se confundir com doenças no ânus, como é o caso da fístula e abscesso anal, sendo fundamental o exame proctológico feito pelo especialista para um diagnóstico preciso.

O nome da patologia – pilonidal – se dá em função do significado “ninho de pelos”, já que é extremamente frequente que as pessoas encontrem cabelos no interior do cisto. Além desses fragmentos de pelo, é comum encontrar glândulas sudoríparas e sebáceas.

Quais são as causas?

As causas do problema não são totalmente claras ainda hoje. De modo inicial acreditava-se que era causada por uma má formação, como uma doença congênita. Atualmente acredita-se que o cisto pilonidal pode ter algumas causas comuns, como:

Atrito e pressão na área sacrococcígea

Pode acontecer em função do uso constante de calças muito apertadas e também em pessoas que passam muito tempo sentadas, tanto durante o dia quanto durante a noite.

Pelos encravados

Os pelos encravados acontecem da seguinte maneira: os fios se curvam e penetram novamente o folículo piloso, onde continua crescendo. Desta forma, são tratados pelo organismo como corpos estranhos, causando assim uma inflamação. Quando essa inflamação é constante, pode acontecer o cisto pilonidal.

Traumas

Não há informações completas de que os traumas possam ser uma causa do cisto, mas eles podem ter uma relação direta com à inflamação de um cisto pré-existente.

E quais são os sintomas do cisto pilonidal?

Os sintomas só surgem quando há um processo inflamatório. Em alguns casos a pessoa pode conviver por muitos anos com a doença sem ter nenhum conhecimento sobre ela.

Mas de modo geral, os sintomas incluem:

  • Febre;
  • Desconforto ou dor na região interglútea;
  • Calor local;
  • Edema;
  • Vermelhidão;  
  • Dificuldade para sentar;
  • Aumento do volume na região.

Dado importante: em casos considerados extremos, novos orifícios aparecem. Dependendo do tamanho, é possível enxergar pelos em seu interior. Nesses casos o problema pode ser confundido com fístula perianal.

Como é feito o diagnóstico do cisto?

O diagnóstico é clínico. O médico considera todos os fatores e queixas do paciente e realiza um exame minucioso da região afetada.

Não existem testes específicos e nem de imagem que auxiliem na confirmação do diagnóstico de cistos e abscessos.

Tratamento

O tratamento varia de acordo com a fase da patologia.
Quando o cisto pilonidal já se transformou em abscesso, o procedimento mais indicado é uma drenagem através de uma pequena incisão feita na pele com anestesia local.

Após a fase aguda-abscesso comumente  o médico pode solicitar cirurgia para o tratamento definitivo.

Recomendações

Algumas recomendações podem ajudar na prevenção do Cisto Pilonidal:

  • Procure manter um peso ideal para sua estatura;
  • Evite ficar sentado por muito tempo, isso pode aumentar o risco do desenvolvimento da doença;
  • Mantenha a região sempre livre de umidade e/ou suor;
  • Depile a região – principalmente se os pelos forem espessos e em grande quantidade.

Esperamos que você tenha cessado suas dúvidas sobre o Cisto Pilonidal. Para ler outros conteúdos relevantes, como esse, continue acompanhando o nosso blog. Até o próximo conteúdo!